close
Tesouro direto

Conheça a aplicação do Tesouro Direto mais indicada para a aposentadoria

Com as discussões em torno da reforma da Previdência, aumentam os alertas de especialistas para a necessidade de os investidores redobrarem a atenção ao se planejarem para a aposentadoria. Para quem busca a segurança do Tesouro Direto, os títulos públicos mais recomendados para o longo prazo costumam ser os ativos conhecidos como Tesouro IPCA+. Essa indicação é feita, inclusive, no próprio site do Tesouro Direto.

A escolha desse título público ocorre porque é o único a apresentar garantia de rentabilidade acima da inflação, e por isso traz mais segurança para planos de longo prazo. Os ganhos são definidos por uma taxa prefixada, atualmente próxima a 5%, acrescida da variação do IPCA, que é o índice oficial de inflação utilizado pelo Governo. Essa estrutura garante que, caso a inflação ganhe força nos próximos anos, o investidor terá seu poder de compra protegido.

Justamente por conta dessa característica, o Tesouro IPCA+ apresenta os títulos públicos com as datas de vencimento mais longas do mercado, podendo chegar a até 2050, caso o investidor opte por receber juros semestrais, ou até 2045, para receber todo o dinheiro acumulado apenas na data de vencimento. Como base de comparação, o título público mais longo disponível nas outras categorias chega a até 2027.

O fluxo de pagamento semestral funciona como uma antecipação da rentabilidade, e é indicado para quem busca complementar a renda ao longo do tempo. Se o objetivo for reaplicar os valores, o mais recomendado é receber o dinheiro apenas na data de vencimento, uma vez que os pagamentos semestrais também têm incidência de Imposto de Renda e não há a garantia de que o investidor encontrará títulos públicos com taxas semelhantes.

Os ganhos do Tesouro Direto somente são garantidos se os títulos públicos forem mantidos até o vencimento. Caso contrário, se o investidor optar por vender antecipadamente, o Tesouro Nacional fará a recompra a preços de mercado – em linhas gerais, os preços sobem quando as taxas de juros praticadas pelo mercado caem, e recuam quando essas taxas apresentam elevação.

O Tesouro Direto é o programa do Tesouro Nacional para a compra e venda de títulos públicos para pessoas físicas. Na prática, ao comprar um título público o investidor se torna um credor do Governo Federal, que é considerado o emissor de menor risco do mercado por conta da sua capacidade de imprimir moeda.

Para investir em Tesouro Direto sem taxa de administração, clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos.